quarta-feira, 2 de agosto de 2017

O que fazer em Altura, Marinha Grande e Melgaço


Altura
Feira do Livro em Altura
Altura volta a acolher a Feira do Livro. De 4 a 18 de agosto, a Zona de Lazer de Altura, junto à Avenida 24 de Junho, vai dar lugar a mais uma edição da Feira do Livro, enquadrada no programa cultural de Animação de Verão, com os Mercadinho de Altura e animação musical. 
Aberta ao público entre as 20h00 e as 00h00, a feira conta com diversos títulos de autores nacionais e estrangeiros a preços convidativos e com algumas promoções.
No decurso do certame haverá sessões de autógrafos com alguns escritores. Já confirmadas estão as presenças de Cidália Pinto, autora do livro de poesia “Borboletas no Coração” (dia 5) e de Luís Ferreira, com os livros “O Peregrino” e “Entre o Silêncio das Pedras” (dia 17), as duas sessões com a organização da livraria Maravela
  
Marinha Grande
“Arte Vetraria Muranese” no Museu do Vidro
O Museu do Vidro, na Marinha Grande, tem patente a exposição “Arte Vetraria Muranese – A.Ve.M”, pertencente à Coleção Lutz H. Holz, até ao dia 1 de outubro.
Numa combinação de inovação, design, arte e ciência do vidro, a exposição “Arte Vetraria Muranese – A.Ve.M.” dá-nos a conhecer alguns dos melhores exemplares em vidro de Murano produzidos pela fábrica, realizadas através de processos inovadores à época por mestres vidreiros e designers.
As peças em exibição pertencem à coleção de Lutz H. Holz que iniciou a sua coleção de vidro de Murano há 12 anos quando comprou as três primeiras jarras. Nos meses que se seguiram começou “a aprender mais sobre vidro, através de livros, visitas a museus e da minha primeira visita a Murano”. A sua “paixão pelo vidro estava a crescer e transformou-me num colecionador”, admite.
O tema central da sua coleção é o vidro de Murano do séc. XX. As peças da A.Ve.M. são uma parte importante e especial da coleção.
Fundada em Murano - Veneza no ano de 1932 por Galliano Ferro, Emilio Nason e Antonio-Luigi Ferro, em parceria com os seus dois filhos Ottone e Egidio, a Arte Vetraria Muranese - A.Ve.M. deu um importante contributo para a introdução do design no fabrico de vidro em Murano, tendo contado com a colaboração de artistas e designers como Vittorio Zecchin, Giulio Radi, Giorgio Ferro e Anzolo Fuga.
A exposição “Arte Vetraria Muranese – A.Ve.M” pode ser visitada no Museu do Vidro, até 1 de outubro, de terça-feira a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.
 
Ateliês infantis na Praia da Vieira e em São Pedro de Moel
A Câmara Municipal da Marinha Grande e a Associação Casa D’Árvore – ABCNatur  estão a realizar oficinas de verão infantis “Gentes e Lugares da Cidade - Olhares com Arte”, na Praia da Vieira e em São Pedro de Moel, até final de agosto. A participação é gratuita.
A iniciativa termina no dia 25 de agosto. O objetivo é permitir a ocupação das crianças e fomentar o contacto com as artes e a natureza.
Programa - Local: Posto de Turismo de São Pedro de Moel
13 de agosto . 9h30-12h30
“Land Art e Yoga do Som” por Daniela Oliveira
Nesta oficina as crianças vão fazer uma pequena caminhada na natureza e exercícios de yoga da respiração. Vão ainda construir mandalas naturais.
Limite de 20 participantes (2 grupos de 10 participantes, duração de 1h30 cada grupo)
Idade: 6 aos 12 anos
 
16 de agosto . 14h30-17h30
“Um animal do pinhal” por Nídia Nair Marques
Partindo dos animais que habitam o pinhal, cada criança fará uma composição (usando rolhas de cortiça cortadas em vários formatos) para depois gravar sobre papel.
Limite de 15 participantes
Idade: 7 aos 12 anos
 
17 de agosto . 14h30-17h30
“Montagem fotográfica/colagem” por Maria Kowalski
A partir de uma imagem fotográfica, propõe-se que cada criança continue a imagem através do desenho, pintura ou colagem de materiais encontrados no meio envolvente.
Limite de 20 participantes (2 grupos de 10 participantes, duração de 1h30 cada grupo)
Idade: 8 aos 12 anos
 
18 de agosto . 14h30-17h30
“Céu d’Afetos” por Céu d’Afetos
Uma oficina de Acolhimento Emocional que pretende proporcionar às crianças a possibilidade de exteriorizar e acolher as suas emoções sem sentimento culpa, perceber os sintomas das mesmas no seu corpo e aprender a geri-las de forma saudável no seu dia-a-dia.
Limite de 20 participantes (2 grupos de 10 participantes, duração de 1h30 cada grupo)
Idade: 6 aos 10 anos
 
21 de agosto . 14h30-17h30
“Caça aos tesouros da natureza” por Maria Kowalski
Uma oficina que alia o jogo à fotografia, permitindo às crianças uma descoberta fotográfica da natureza
Limite de 20 participantes (2 grupos de 10 participantes, duração de 1h30 cada grupo)
Idade: 7 aos 12 anos
OBS.: Cada criança terá de trazer máquina fotográfica digital ou reflex.
 
22 de agosto . 14h30-17h30
“Papel Reciclado” por Célia Ferreira
Nesta oficina as crianças vão aprender a fazer folhas de papel reciclado. Vão ainda aprender a transformar uma t-shirt velha num saco.
Limite de 15 participantes
Idade: 6 aos 12 anos
Obs.: Cada criança deve trazer para a oficina uma t-shirt velha para ser reutilizada.
 
23 de agosto . 09h30-12h30
“Oficina dos Seres Mágicos do Pinhal” por Oficina dos Sonhos
Nesta oficina as crianças vão descobrir a magia do pinhal, criando seres mágicos.
Limite de 20 participantes (2 grupos de 10 participantes, duração de 1h30 cada grupo)
Idade: 6 aos 12 anos
Inscrições através do telefone 917 991 704 e do e-mail: casadarvore.abcnatur@gmail.com
 
Melgaço
DIA DO BRANDEIRO CELEBRA A TRANSUMÂNCIA
A Branda da Aveleira, aldeia melgacense pertencente à freguesia de Gave, recebe este fim de semana, 5 e 6 de agosto, o Dia do Brandeiro, um evento que reúne toda a população para celebrar a cultura da transumância, e claro, em volta da deliciosa gastronomia e alvarinho da região.
Os gaiteiros do ‘Rio Mouro’ fazem a abertura do evento no sábado de manhã, antes da habitual missa, e interpretarão música de raiz celta. Do programa há a destacar o cortejo etnográfico sob o tema: ‘A Transumância’ – ‘esta marca da transumância, muito característica do nosso município, ligeiramente no município de Arcos de Valdevez, mas fundamentalmente no município de Melgaço’, conta Manoel Batista, autarca de Melgaço. A festa continua com um convívio com Porco Espeto e com uma palestra cultural, onde será possível A celebração do Dia do Brandeiro criará espaços para se ouvir o relato do quotidiano da pastorícia, e animação musical. O dia seguinte é dedicado para os amantes de boa gastronomia: haverá tasquinhas onde se podem saborear os bons petiscos locais. A garraiada, pelas 16h00, fecha o programa.
Durante os dois dias, entre as 10h00 e as 20h00, os visitantes terão ainda a oportunidade de observar a cultura brandeira através da Feira das tradições do Brandeiro e dos produtos locais. A iniciativa está inserida no Melgaço em Festa que decorre até 13 de agosto.
A diversidade paisagística da aldeia e a gastronomia local (onde se destaca a broa de milho, o cabrito à moda da Serra e os produtos de fumeiro) fazem desta aldeia do Município mais a Norte de Portugal uma ótima escolha! Situada na entrada do Parque Nacional da Peneda-Gerês, a Branda da Aveleira representa a tipicidade da região e o modo de vida de uma época. A aldeia tem uma paisagem e um conjunto arquitetónico de enorme beleza, sendo o testemunho de uma tradição agrícola e cultural de grande valor antropológico, que a torna muito especial e singular. Foi uma das pré-finalistas das 7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias, na categoria de Aldeias Remotas.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

A não perder de norte a sul

Almada
O Convento dos Capuchos, na Caparica, recebe a 7.ª edição deste ciclo de música que, em 2017, tem como tema «Barroco, Sedução e Exclusão».
Os próximos concertos realizam-se a 5 e a 12 de agosto, sempre ao sábado à noite, a partir das 21h30 e tem entrada livre.
Programa
5 de agosto de 2017
21h30
Música para a Rainha de Portugal e Brasil - D. Maria I - 200 Anos
 Americantiga Ensemble, 33 Ânimos Companhia Teatral
Local: Igreja do Convento dos Capuchos
12 de agosto de 2017
21h30
Eurico Carrapatoso - Díptico Mariano
 Grupo vocal Olisipo e Ensemble instrumental Olisipo, Angélica Neto, soprano e Armando Possante, direção musical
 Eurico Carrapatoso (1962),  Díptico Mariano, Horto Sereníssimo e Magnificat em Talha  Dourada.
Local: Claustros do Convento dos Capuchos
 
Barcelos
Até 13 de agosto, Barcelos volta a ser a Capital do Artesanato e recebe, no Parque da Cidade, a 35ª edição da Mostra de Artesanato e Cerâmica do concelho. Mais de 125 artesãos, 80 dos quais de Barcelos, estão representados neste certame que conta com cerca de 140 stands espalhados pelas várias áreas do recinto do Parque.
A maior mostra de criatividade em Portugal tem como objetivo promover o artesanato e os artesãos, sendo o grande evento anual na área do artesanato, afirmando Barcelos como Capital do Artesanato e trazendo à cidade muitos milhares de pessoas.
À semelhança dos anos anteriores, a edição deste ano da Mostra vai brindar o público com diversos espetáculos musicais, arruadas pelos grupos folclóricos e etnográficos, animação de rua e outras atividades que, ao longo da iniciativa, vão animar quem visita o concelho. Depois do sucesso o ano passado, os workshops, dedicados a vários temas, voltam a marcar presença uma vez que conquistaram um lugar de destaque nesta Mostra.
A edição de 2017 decorre numa altura em que a UNESCO está a analisar a candidatura de Barcelos à Rede de Cidades Criativas. Reconhecido como a Capital do Artesanato, o concelho vê agora alargadas as suas aspirações através da candidatura à Rede, no domínio do artesanato e arte popular.
Este certame, um dos mais antigos do país, conta com a presença dos mais importantes artesãos de cada setor do artesanato (figurado, olaria, cestaria e vime, ferro e derivados, madeira e bordados) e retrata toda a riqueza da arte e do trabalho tradicional.
Na animação diária, pode sempre contar com as arruadas dos grupos tradicionais do concelho, a música ao vivo na Praça da Alimentação, e muita música no palco principal. Este ano sobem ao palco Sons do Minho, 7Saias, Quinta do Bill, Banda Atlantis e Diana Martins, e muitos outros que farão desta edição um verdadeiro sucesso.
 
Ílhavo
Numa organização conjunta entre o Illiabum Clube e a Câmara Municipal de Ílhavo, vai ter lugar entre os dias 3 e 6 de agosto, no relvado da Costa Nova, a décima primeira edição do “Ria a Gosto” – Festival de Marisco da Costa Nova.
O Festival de Marisco tem como principal objetivo divulgar sobretudo o marisco e todos os produtos da Ria, bem como as comunidades piscatórias que dinamizam esta atividade de captura do marisco, numa aposta de promoção dos produtos “Ria de Aveiro” e de dinamização da economia local.
Num ambiente informal de uma mega tenda, instalada no relvado da Costa Nova e enquadrada pelo Canal de Mira e pelos palheiros da Costa Nova, esta é também uma forma de apoiar uma das mais emblemáticas equipas de basquetebol nacional, o Illiabum Clube, que assim irá angariar fundos para a sua atividade desportiva.
 
Lisboa
Está patente ao público no Panteão Nacional a exposição Manuel de Arriaga e a construção da imagem da República.
Este ano assinalam-se os 100 anos da morte de Manuel de Arriaga, primeiro Presidente da República eleito a 24 de agosto de 1911 e homenageado posteriormente, com Honras de Panteão.
Associando-se à efeméride, o Panteão Nacional organizou esta mostra, que tem o Alto Patrocínio da Presidência da República. Nela são abordados os aspetos mais marcantes da vida e obra de Manuel de Arriaga, bem como iniciativas republicanas na definição de uma nova imagem do regime: os concursos para o busto e estátua da República, a bandeira nacional e o hino ‘A Portuguesa’ que, em conjunto com a figura do Chefe de Estado, passaram a constituir os símbolos nacionais.
A exposição reúne um conjunto muito abrangente de peças originais pertencentes a alguns dos mais importantes museus, monumentos, palácios portugueses e coleções particulares, incluindo exemplares de pintura, escultura, têxteis e publicações. Algumas destas obras serão apresentadas em público pela primeira vez.
Patente na nave central, coro alto e salas de exposição do Panteão Nacional, a mostra pode ser visitada de 13 de julho a 12 de novembro de 2017, das 10:00 às 18:00 (até 30 de setembro) e das 10:00 às 17:00 (a partir de 1 de outubro) – ultimas entradas 20 minutos antes da hora de fecho.
  
Marinha Grande
Realiza-se na Marinha Grande a 10ª. edição da Criativ(a)rte no dia 12 de agosto de 2017, das 17h00 às 00h00, no Jardim do Bambi, em São Pedro de Moel, cujo programa inclui animação de rua, espetáculos musicais, atividades desportivas e infantis. A participação é gratuita.
Além do programa de animação da Criativ(a)rte, este evento constitui-se como uma feira de artes cujo objetivo é proporcionar um espaço físico, com oportunidades reais, para que todas as pessoas, de qualquer idade, de forma individual ou coletiva, possam participar na dinamização do concelho da Marinha Grande, com os seus projetos, iniciativas e ações.
 
 
O Núcleo de Arte Contemporânea do Museu do Vidro, situado no Edifício da Resinagem, na Marinha Grande, tem patente a exposição “DNA Signature”, do artista alemão Klaus U. Hilsbecher.
Vencedor de vários prémios internacionais, Klaus U. Hilsbecher apresenta pela primeira vez em Portugal a exposição “DNA Signature”, através de um conjunto de obras inspiradas em variadíssimas linguagens, desde as formas orgânicas que remetem para elementos da natureza, à música e à matemática.
O processo de sequenciação do ADN influenciou em grande parte o trabalho artístico de Klaus U. Hilsbecher. Os módulos das suas esculturas são tão diversos quanto o próprio ADN, criando algo novo e remetendo-nos para o mundo que nos rodeia, para o desenvolvimento das espécies e toda a imensidão orgânica e inorgânica do cosmos.
A exposição fica patente ao público até 12 de novembro de 2017, podendo ser visitada de terça-feira a sexta-feira, das 10h às 13h00 e das 14h00 às 18h00 e ao sábado, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 16h00. A entrada é gratuita.
 
A iniciativa “Histórias ao Luar” continua a animar as noites de sexta-feira, durante o verão, na Praça Afonso Lopes Vieira, em São Pedro de Moel, e no Parque da Cerca, na Marinha Grande, e cuja participação é gratuita.

Trata-se de um projeto organizado pela Associação Casa d’ Árvore – ABCNatur, com o apoio da Câmara Municipal da Marinha Grande e da SPM PROTUR - Associação para a Promoção do Turismo em São Pedro de Moel, que visa criar um ambiente social favorável à promoção do livro e da leitura para as crianças/jovens (um dos objetivos do Plano Nacional de Leitura) e fomentar o convívio familiar.

No mês de agosto, as “Histórias ao Luar” decorrem nos seguintes dias:

4 e 18 de agosto . 21h30
Praça Afonso Lopes Vieira . São Pedro de Moel

11 e 25 de agosto . 21h30
Parque da Cerca . Marinha Grande
 
Melgaço
Diretor Regional de Cultura Norte, António Ponte, inaugura amanhã, 1 de agosto, o Festival Internacional de Documentário de Melgaço - Filmes do Homem. O momento acontece com a abertura da exposição de fotografia ‘Festa’, de João Gigante, e ‘Pão Nosso de Cada Dia’, de Venice Atienza, na Casa da Cultura, pelas 21h00, seguindo-se a estreia dos documentários realizados na Residência Cinematográfica PLANO FRONTAL 2016. O festival acontece entre 1 e 6 de agosto e está inserido no ‘Melgaço em Festa’ que decorre de 31 de julho a 13 de agosto, este ano com um programa mais ambicioso e mais eclético.
Esta é 4ª edição de Filmes do Homem e volta a marcar a exibição e promoção do cinema documental, pautado pela qualidade cinematográfica dos trabalhos selecionados para o prémio Jean Loup Passek e centrando-se nas temáticas habituais do festival - migração, fronteira e memória. Este ano concorreram ao prémio Jean Loup Passek um número recorde de filmes, excedendo as 400 candidaturas, entre as quais foram selecionadas 15 longas-metragens e nove curtas e médias metragens, candidatas ao prémio internacional na sua categoria. Sete destes filmes são também candidatos na categoria de Melhor Filme Português. 13 dos realizadores candidatos ao prémio Jean Loup Passek estarão presentes no Festival para apresentarem os seus filmes, vindos de países tão diversos como Espanha, França, Alemanha, Itália, Finlândia e, claro, Portugal.
O júri desta edição é constituído pelo cineclubista André de Oliveira e Sousa, pelas realizadoras Graça Castanheira e Iris Zaki, esta última vencedora do prémio Jean Loup Passek para melhor curta-metragem na edição do ano passado, pelo produtor e realizador Rodrigo Areias e pelo jornalista e programador brasileiro Sérgio Rizzo. Os prémios a atribuir pretendem distinguir a melhor longa-metragem (3.000€), a melhor curta ou média-metragem (1.500€) e o melhor documentário português (1.000€).
De destacar nesta edição, durante o dia 4 de agosto, o  KINO MEETING - Encontro Internacional de Serviços Educativos de Cinema, com a presença de várias instituições internacionais, como as Cinematecas Alemã e Portuguesa, o Museu Nacional de Cinema Italiano, a Filmoteca da Catalunha, os Cineclubes de Viseu e Faro, a Casa Museu de Vilar e o Festival de Cinema de Animação Cinanima.
Nos dias 4 e 5 de agosto, FILMES DO HOMEM vai acolher os III Encontros Arraianos de Cinema, iniciativa que pretende fomentar a criação de redes de colaboração entre Cineclubes e Festivais de Cinema da raia Portugal/Espanha, promover e divulgar o cinema raiano e estimular o diálogo cultural e institucional entre fronteiras. Realiza-se ainda a residência cinematográfica e fotográfica Plano Frontal, de 28 de julho a 6 de agosto, e o curso de verão Fora de Campo, de 01 a 06 de agosto.
De 5 e 6 de agosto é altura de um ‘Salto a Melgaço’, com uma programação mais intensa e a dinamização de diversas visitas a locais do concelho, visitando exposições, assistindo a debates e conferências e a projeções de filmes. Os vencedores do prémio Jean Loup Passek serão conhecidos no último dia do festival, 6 de agosto, como tem sido habitual, com a projeção ao ar-livre de um filme na Torre de Menagem de Melgaço.
O FILMES DO HOMEM - Festival Internacional de Documentário de Melgaço é organizado pela Câmara Municipal de Melgaço em parceria com a AO NORTE – Associação de Produção e Animação Audiovisual, e pretende promover e divulgar o cinema etnográfico e social, refletir sobre identidade, memória e fronteira e contribuir para um arquivo audiovisual sobre a região.
 
Portimão
À semelhança de anos anteriores a Casa Manuel Teixeira Gomes terá patente, de 1 a 30 de agosto, a Exposição Coletiva de Fotografia e Pintura de Artistas Portimonenses “Laços de Família. Uma mostra diversificada em família que pretende estabelecer um exercício de diálogo e de confrontação entre as obras tão diferentes e “olhares” da mesma genealogia.
Uma exposição inédita que revela a criatividade, a capacidade e a destreza de “pequenos grandes” artistas com dom para pintar e fotografar, sempre acompanhadas pela perspetiva da mãe, da avó, do avó, do pai ou do tio dando assim às crianças, elementos capazes para a compreensão do fenómeno estético sobre o mundo material. Os momentos em família podem ser verdadeiramente artísticos num final de tarde após a escola, no fim de semana e até nas férias e originar verdadeiras obras de arte passíveis de estarem presentes numa Exposição e em Portimão.
 
 
Como manda a tradição, Portimão vai viver dois fins de semana de festa repletos de muita fé e devoção integrados nos festejos de Santo André na Igreja da Penina (5, 6, 12 e 13 de agosto) que vão animar o concelho e marcar estas celebrações com a participação da comunidade.
O Centro Apostólico de Santo André situado na Igreja da Penina em Alvor vai realizar as tradicionais festas em honra do padroeiro da Igreja da Penina e nas quais as atividades recreativas e a animação musical têm papel de relevo, reunindo centenas de residentes e turistas em convívio e confraternização.
De referir que as Festas em honra de Santo André tiveram início no verão de 1992 e este ano celebram as Bodas de Prata - 25 anos. Tudo começou com um grupo de jovens que pretendia arranjar fundos para uma Peregrinação a Roma - Itália, para assistirem à Beatificação de 51 Mártires Clareteanos que acontecia a 25 de Outubro de 1992, uma vez que pertenciam à congregação dos Padres da Paróquia de Alvor.
O primeiro cartaz das festas dizia "HOJE HÁ FESTA!!!”. Então a primeira festa aconteceu no Adro da Igreja com poucas pessoas, mas foi a primeira de muitas. Ano após ano, as Festas começaram a ter outra dimensão, com grande impacto no concelho, transformando-se num grande ponto de encontro de pessoas, onde o convívio, a alegria tornaram-se as palavras de ordem.
Esta tradicional festividade, que se realiza sempre nos dois primeiros fins-de-semana de agosto, tem entrada gratuita, é organizado pelo Centro Apostólico St. André e conta com os apoios da Junta de Freguesia de Alvor, da Câmara Municipal de Portimão e com a Herdade do Esporão.
  
Vouzela
O Museu Municipal de Vouzela vai ter patente, de 1 a 31 de agosto, na Sala de Exposições Temporárias, a exposição de fotografia intitulada “Síria”.
Constituída por 31 imagens, a exposição mostra um país antes da guerra, numa reportagem feita no verão de 2008.
O autor da exposição, Raúl Torres Robles, diz ter sido uma “experiência maravilhosa” a sua passagem pela Síria. “Deslumbrado com a beleza dos sítios plenos de história e cultura, bem como pela afabilidade e simpatia das gentes, procurei retratar este país sem imaginar que um conflito atroz iria semear a dor e a sua destruição”,  adianta o fotógrafo.
A exposição será inaugurada no dia 1 de agosto, pelas 16h.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

O Sol vai brilhar em Agosto na Caparica

O Sol da Caparica orgulha-se em se apresentar como o Festival da Lusofonia, é assim que é promovido e com muito orgulho pela organização.
Hoje, a bordo o veleiro Príncipe Perfeito, com o Tejo como pano de fundo e com a presença dos artistas que vão dignificar o festival, num ambiente muito informal, foi possível relembrar os conceitos que fazem deste festival um marco para a música de origem lusófona em Portugal.
O Sol da Caparica contará este ano com a presença de grupos vindos de cinco países lusófonos mas as novidades não ficam por aqui. De 10 a 13 de Agosto e com o mar ao fundo, vai ser possível conhecer projetos novos de artistas bem conhecidos de todos, desfrutar do anfiteatro permanente, conhecer o que move a arte nas entrevistas aos artistas em “Debaixo da Língua”, vibrar com DJs vindos do Brasil, ver como se dança bem no palco de dança, ver ao vivo como trabalham os artistas que trabalham peças de arte de grande dimensão, assistir à exposição de contentores de lixo grafitados, conhecer as pranchas de surf trabalhadas por artistas e passar bons momentos na Praça de Surf que tem também uma área de skate. Para saber como é só precisa ser um dos 65.000 ou mais de festivaleiros que se prevê que vão passar nesse fim de semana pela Costa da Caparica e se tem filhos eles não são um problema, este festival encontrou a solução com jogos educativos para entreter os mais novos e atividades em família.
Na edição deste ano a musica em português vai dar à costa e vamos poder ouvir vozes inesquecíveis como a do Bonga, Tim, António Manuel Ribeiro, Carlão, Midus, João Cabeleira, Nuno Espirito Santo, HMB, Mariza, Regula, Sam Alone, Tais Quais, Trevo, Antonio Zambujo a cantar Chico Buarque, Bispo, Carlos do Carmo, Dealema, Djodje, Holly Hood, Mafalda Veiga, Virgul, Pete the  Zouk, Xutos e Pontapés, Best Youth, Manel Cruz, Matias Damásio, Mishlawi, Trovante, Os Tubarões, Os Quaatro e Meia, Rich & Mendes, Samuel Úria, Sean Riley & The Slowriders e  Teresa Salgueiro mas para conhecer com mais detalhe recomenda-se a consulta do site oficial  http://www.osoldacaparica-festival.pt/.
O Festival Sol da Caparica terá lugar no Jardim Urbano da Costa da Caparica e o bilhete diário custa 15€ enquanto o passe custa 35€.  
As crianças, no seu dia, pagam 2€ e têm entrada gratuita até aos 6 anos de idade.
O passe familiar para 2 adultos e 2 crianças custa 115€ e quem tiver mais de 65 anos paga 25€.

























domingo, 23 de julho de 2017

Feira Internacional de Artesanato na Foz do Arelho


Na Foz do Arelho, Caldas da Rainha, no caminho para praia, vai estar uma feira internacional de artesanato, ali entre a praia e a vila, a convidar para umas compras surpreendentes.

Todos os dias, até 15 de Agosto e se não teve tempo para ir à BTL pode aproveitar agora para fazer aquelas compras de decoração que não encontra facilmente à venda.

Não trago fotos da feira. É preciso ir lá, passar um excelente dia de praia e depois, quando se ruma a casa para apreciar o mundo em artesanato.

Trago fotos de pequenos detalhes da vila, para mostrar que há mais ali do que sol e praia e que a Foz do Arelho espera para ser descoberta. O seu encanto está nas coisas mais simples, a praia que se cruza com o campo, o casario baixo a fazer lembrar os velhos tempo.

Esta pequena vila de esquecida no tempo, quando chega Julho e Agosto enche-se de brilho na sua simples arte de bem receber, se não conhece, aceite este convite e venha conhecer.